terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Sereiando.

Eu achei que na minha cabeça também tivesse acabado, mas o sonho que tive hoje me fez refletir que talvez apenas esse texto me faça, de fato, encerrar aqueles dias. Os quase três meses de conversa, as duas semanas intituladas e aqueles dois dias. Você sabe dos dias que estou falando. Sabe, alguns anos atrás eu fiz uma promessa. Prometi que nunca mais me apaixonaria a ponto de ficar cega. Nunca mais. Mas você veio sereiando pela minha vida. Eu nem sei se esse verbo existe. Depois de chegar, fez questão de bagunçar cada cômodo da minha cabeça que eu tinha levado muito tempo pra arrumar. No começo eu neguei e comecei a arrumar tudo de novo. Mas desisti de lutar e deixei que bagunçasse tudo mesmo.
Ah, você bagunçou direitinho. Bagunçou o meu coração, a minha cabeça e fez com que aquela promessa não valesse mais nada. Ao invés dela, guardei aquela que você me fez. Guardei todas aquelas suas palavras de como estava apaixonada e queria que desse certo. Nós iriamos tentar fazer aquela coisa louca dar certo, lembra? Lembra daquele dia tarde da noite em que você conseguiu, finalmente, acabar com todas as minhas paranoias? Disse que você só era tímida, fechada e simplesmente não conseguia demonstrar o mesmo tanto que eu demonstrava.
E eu acreditei. Acreditei sim. Eu não sabia do seu vênus em áries e do resto do seu mapa astral que dizia "eu não me prendo a ninguém". Sei que fui burra e talvez tudo aquilo tenha sido uma merda de uma mentira e talvez você tenha dito que queria continuar com a amizade só pra ter a senha do meu netflix. E mesmo com tudo o que aconteceu depois, não, eu não vou tirar isso de você. Existe uma coisa chamada maturidade.
No fundo o que doí mesmo é saber que você não estava mal coisa nenhuma, era apenas uma desculpa pra me tirar da sua vida e colocar outra pessoa. E depois outra, e mais outra, até você cansar desse troca-troca maldito. Eu poderia ter sido avisada, porque você sabe que eu também não sou flor que se cheire e naquela época eu ainda aceitaria manter apenas um mero "rolo".
Mas você bagunçou cada parte de mim e é uma merda admitir isso.
Pois é.
Esse texto ficou confuso.
E eu fico aqui, durona, superando, enquanto você tenta de todas as formas me provocar. Não vou dizer que não dói, acho que sempre vai doer um pouquinho. Mas deixa o tempo curar e deixa eu mostrar pra mim que sou melhor do que tudo isso. Sou maior e mais forte e mais tudo. Porque agora a promessa é outra. A promessa é: se ame. E eu me amo. Eu me amo muito.
Mas eu também te amei.
E acho que no fundo desse coração de pedra eu ainda te espero me mostrar que pelo menos alguma coisa naqueles dois dias duas semanas e dois meses foi de verdade. 
Porque eu não queria, de verdade, lembrar da sua mão entrelaçada na minha e ser obrigada a apagar essa imagem da minha mente. Queria poder lembrar. Lembrar como algo rápido, intenso e verdadeiro que acabou. E é isso.

Nenhum comentário:

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo