sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz ano novo!

Fiquei sabendo nos quarenta e cinco minutos do último tempo que, segundo os astros, 2016 era um ano de términos. Era? E, de fato, muitas coisas se encerraram. Houve o acidente de avião que acabou levando praticamente todo o chapecoense e talvez esse seja o término mais doloroso. Outras coisas aconteceram no mundo político, no mundo dos famosos, da internet e das notícias. Sim, muita dor, muitos finais e poucos começos. Mas houveram começos, sim. Aqui estou não para me lamentar, mas para agradecer todos os começos e finais que 2016 trouxe na minha vida. Porque finais também são necessários para sacudir a poeira e seguir em frente.
Comecei a cursar publicidade e propaganda. Não é uma faculdade pública, como eu queria. Aquele sonho se encerrou. Mas veio o começo. Durante esse período, fiz viagens todos os dias de volta para a minha cidade, desenvolvi uma ansiedade muito forte e tive alguns outros problemas. Não consegui aproveitá-la como um todo. Mas algumas amizades começaram ali. E a minha paixão e dúvida entre qual parte da área de criação seguir. Ou seria planejamento?
Relacionei-me com pessoas. Descobri muito mais sobre mim que pensava que existia. E depois, quando encontrei minha melhor amiga da escola, percebi o quanto estava diferente, o quanto nós estávamos diferentes. Vivi alguns romances confusos e mal resolvidos, mas com eles também comecei a perceber que havia qualidades em mim que nem eu percebia. E hoje percebo que um término não pode me deixar levar essas qualidades embora. 
Tive um início seguido de um final não desejado e mal resolvido mas que com certeza terá seu recomeço. Publiquei o meu primeiro livro, A Garota do Casaco Vermelho. Entretanto, o desenrolar da história não foi nada como planejei. Tudo virou caos e levou minha mente confusa a um ponto de quase fusão. Eu estava quase explodindo quando decidi escrever um livro novo e começar de novo. E ter calma, porque a Scarlet ainda vai ter a chance de conhecer todo mundo.
O blog ficou um tanto quanto parado e foi aquele final suspenso no ar, pensei que acabaria. Mas resolvi reergue-lo e aqui estou.
É porque, por incrível que pareça, eu aprendi algumas muitas coisas com esses finais. Aprendi que amor é acréscimo e todos nós somos incríveis. Aprendi que meus defeitos podem ser tão bonitos quanto as minhas qualidades. Percebi que sou egoísta as vezes e mudar é um mal necessário. Ou um bem necessário. Mas que preciso mudar por mim e não por alguém que me mandou fazer isso. Percebi que não preciso ter um certo bloqueio de fazer amizades porque as vezes um não acontece e não é o fim do mundo. Pretendo aprender isso ao longo do ano.
Mas como já disse, minha maior meta é começar fevereiro me amando muito mais e terminar o ano com muito, mas muito, amor próprio. Nem que seja necessário assistir MMFD mil e uma vezes até eu tirar todas as coisas necessárias e bonitas dessa série.
Eu quero me descobrir ainda mais. Eu quero parar de me preocupar com rótulos. Eu quero ser apenas eu sem medo. Eu quero escrever novos livros e textos. Eu quero voltar com tudo com o blog, dessa vez de verdade. Eu quero arrumar um estágio. Eu quero entrar pra agência da faculdade. Eu quero apresentar mais e mais peças e ser mais inteira no grupo de teatro. Tem tanta coisa... E eu vou conseguir!
E falando nessas coisas de descobertas, sabe o que descobri?
Meu sonho de ser atriz profissional pode estar em estado de espera, mas percebi que as vezes a vida traz outros rumos pra gente, outras oportunidades. Eu escrevo. Sou escritora. E vou continuar escrevendo ainda mais e tentando mudar pelo menos um pouquinho a vida de quem lê.
É isso.
Seja bem-vindo, 2017.
E que seja o ano dos recomeços.

Nenhum comentário:

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo