terça-feira, 11 de agosto de 2015

Resenha: Prometo falhar - Pedro Chagas Freitas

Editora: Novo Conceito 
Ano: 2015
ISBN: 9788581637495
Páginas: 400
Nota: 3/5
A vida não é vida se não houver t(r)emores.

Prometo falhar é um livro repleto de divagações e contradições. Pedro Chagas Freitas escreve sobre o amor através de crônicas, contos, pequenos textos, poemas. Todos os tipos de amor, sendo o principal, é claro, o amor entre namorados. Mas ele também fala sobre amizade, sobre a sociedade e sobre seus pais. E deixa uma mensagem clara: o amor é imperfeito, mas é essa imperfeição que o faz ser quase-perfeito.

"Se houvesse uma ordem justa no mundo seria isso o que aconteceria: seríamos primeiro adultos e depois crianças, e começaríamos por temer tudo o que mexe porque somos adultos e o adulto tem medo de que tudo acabe porque sabe que tudo vai acabar, e depois acabaríamos sem medos, sem temores, à procura do que gostamos onde bem gostamos."

Se você me perguntar se gostei do livro, direi que sim, mas não sairia por aí gritando "leiam esse livro", acho que porque não estou em uma fase romântica da vida e o livro é muito disso, a maioria dos textos é bastante romântico e dramático, o que me incomodou um pouco, já que acabei não concordando com muitas coisas. Principalmente em uma crônica em que, pelo que percebi, ele justifica a traição. Ok, o amor é imperfeito, cheio de defeitos, isso é amar, mas traição já é demais.

"Amava-a porque era a melhor forma de continuar a se amar enquanto pessoa, alguém tão bom como ela só poderia amar alguém igualmente amável, como ele por vezes não se sentia."

O principal ponto positivo da obra é o estilo da escrita do autor. No início, é até meio confuso entender, uma vez que não se está acostumado com esse modelo, mas depois a leitura flui normalmente. Preciso dizer que amei a forma como ele escreve, amei mesmo! Da pra perceber que foi escrito com muito sentimento, como se ele segurasse a caneta e ela escrevesse por ele, arrancando cada suspiro de sua alma.


Meus textos preferidos foram aqueles que falam sobre sonhos, sobre a vida e a sociedade em geral, inclusive os marquei para reler daqui um tempinho. Quanto aos textos de romance, estes acabaram tornando-se repetitivos. Tive a impressão que ele usa as mesmas palavras em vários textos, as mesmas frases mudando apenas por sinônimos. Acho que porque essa era a ideia que queria passar, mas essa repetição acaba dando um desânimo durante a leitura.

"As pessoas precisam das pessoas. Para aguentar, para escapar, para crescer, para viver. Mas também para morrer."

Gostei da maneira como ele se coloca diante do amor em geral e como o descreve. É uma obra com quotes muito bonitos e sensíveis, cheios de sentimento. Porém, é escrita para os apaixonados de plantão. Se você não gosta de romance mel, então talvez não seja a melhor escolha. Até vale a pena dar uma chance, mas não é necessário ler todos os contos para entender a mensagem. De qualquer forma, Prometo falhar é sim um livro muito bom.

2 comentários:

  1. Olá Beatriz,
    Gostei bastante da sua resenha e da forma realista como você a colocou.
    Particularmente, estou com muita vontade de ler esse livro e, mesmo que você não tenha gostado tanto do livro, e justificado isso, essa vontade não diminuiu, pois acredito que pessoas diferentes podem ter percepções diferentes.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bruna!
      Fico feliz que tenha gostado!
      Vi tanta gente surtando com esse livro, como se fosse um dos melhores ever.. Mas não achei tanta coisa assim. O começo é realmente muito bom, mas depois cansa, infelizmente. Então decidi ser sincera com os meus leitores e contar os pontos positivos e negativos, afinal, é sim um livro bom. Mas as pessoas podem ter visões diferentes, é claro. Acho que não gostei também não por ser um livro ruim - porque não é - mas por não estar nessa vibe de romance e não concordar com muita coisa.
      Beijos!

      Excluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo