domingo, 2 de agosto de 2015

Primeiras impressões: Dez coisas que aprendi sobre o amor

Quando a editora Novo Conceito enviou um e-mail falando sobre o livro Dez coisas que aprendi sobre o amor fiquei bem interessada, mas não a ponto de ficar mega ansiosa para fazer a leitura. Entretanto, pensei "por que não?" e aqui estou eu fazendo esse post após ler as primeiras páginas do livro que será lançado em breve.

O livro conta a história de duas pessoas interligadas pelo amor - que inclui as consequências boas e ruins. Alice, que está vivendo um período meio confuso de sua vida - pelo que pude perceber - e tem muitos questionamentos e talvez medo da sua relação com seu pai e sua família. Daniel é um mendigo que vaga por aí e tem como objetivo encontrar a filha que nunca chegou a conhecer. Boatos que meu coração já está na mão!

"Escrevo seu nome — tenho isso, ao menos —, mas não tenho o endereço. Coloco-o numa caixa do correio e sonho, nessas noites, com o envelope sendo colocado numa caixa de correio e você se aproximando dela."

Quanto a história de Alice, posso dizer que ainda estou um tanto quanto confusa. Creio eu que, por seu pai estar doente, ela terá que enfrentar essa situação da família não aceita-la tão bem - ou ela não se aceitar em família. Além disso, há um homem que ela cita, Kal, com quem provavelmente teve um relacionamento. A história dela está muito bem escrita, bem trabalhada, mas ainda não me intrigou tanto.

"Tento me lembrar agora se ele parecia pálido ou magro, se parecia doente ou preocupado. Não me lembro. O homem na cama não se parece com meu pai."

A história de Daniel mexeu comigo em poucas páginas. Não são necessárias mil metáforas para descrever o que ele sente, e acho que isso é o mais bonito. É um tanto quanto angustiante e triste vê-lo sentir falta da filha que nunca viu e tentar procurá-la por aí.

"Gostaria de encontrá-la aqui, ficar ao seu lado com a sujeira da cidade aos nossos pés."

Estou bastante ansiosa para descobrir como a história dos dois irá se desenrolar e se, em algum momento da narrativa, eles acabarão se encontrando.
E para encerrar esse post, aqui vai a minha lista com Dez coisas que eu sei sobre o amor:

  1. O amor pode ferir tanto quanto pode curar.
  2. As vezes é necessário fechar uma porta, mesmo que ninguém entre pela outra.
  3. É impossível contar a quantidade de possíveis "tapas na cara" que você vai levar.
  4. O amor pode gerar ações boas e ruins. O amor move tanto o carisma, a simpatia, quanto o ódio, a vingança.
  5. De vez em quando ninguém vai estar aqui para juntar os caquinhos do seu coração. É preciso aprender a juntá-los sozinho.
  6. Amar pode render bons textos.
  7. Amizade é o amor mais bonito que existe.
  8. Amor não é dizer "eu te amo", é fazer amar.
  9. Esperamos muito, temos pouco. Altas expectativas na maior parte das vezes acabam com um coração machucado.
  10. Conselhos sobre amor: você poderia sair aconselhando o mundo, mas com certeza - ok, talvez se você for a pessoa que todos desejam ser - não seguirá os próprios conselhos.

Um comentário:

  1. Ahhh, adorei esse post. Amei a listinha que você fez no final, mas ainda assim não estou convencida de ler o livro, quem sabe um dia haha! Beijos!

    Ah, marquei você para responder uma tag: http://apenasumaleitura.blogspot.com.br/2015/08/tag-liebster-award.html

    ResponderExcluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo