sábado, 14 de fevereiro de 2015

Resenha: Sol e Tormenta - Leigh Bardugo

Editora: Gutenberg
Ano: 2014 
ISBN: 9788582351468
Páginas: 368

Ela sabe que precisa voltar, mas a correnteza a impede. Aos poucos, os espaços entre os feixes de luz se preenchem com escuridão.
Agora Alina tem que fugir de todos pelo mar real, junto a Maly, os dois passam a viver em uma terra desconhecida, ninguém pode saber quem ela realmente é. Mas o Darkling volta e essa vida não vai continuar. Alina recebe a ajuda de um corsário e deve criar ou não alianças, tomar uma série de decisões que poderão colocar um fim a sua própria vida e daqueles a quem ama.

"Luz demais, pesei desesperada. E, ao mesmo tempo, só conseguia pensar numa coisa: Mais."

Sol e Tormenta possui uma história incrível e cheia de ação. Enquanto Sombra e Ossos - você pode ler a resenha aqui - possuía dois grandes clímax, o segundo livro da trilogia Grisha apresenta várias reviravoltas, é extremamente difícil ficar parado ao ler, os únicos momentos mais monótonos são aqueles essenciais. Digo, então, que Sol e Tormenta possui a medida certa.
Novos personagens aparecem, novos "poderes" são descobertos e tudo tem um preço a ser pago, isso é o que Alina descobre ao longo das páginas e a maneira como tudo se desenvolve torna o livro fantástico!

" Os olhos de Baghra tinham sumido. Onde eles deveriam estar só havia dois poços escuros, sombras dançando em suas profundezas indevassáveis."

Em Sol e Tormenta temos uma Alina muito mais forte, determinada e com opinião própria, mas o que mais me intrigou e me fez amar essa história foi a grande questão do livro. Ao mesmo tempo em que Alina estava com o amplificador e tinha seu poder aumentado, uma parte da garota deixava de existir para a Conjuradora do Sol reinar, acontece que uma parte dessa conjuradora era perdida pela escuridão do Darkling. O livro inteiro a garota se sente nesse dilema, ao mesmo tempo que ela quer ser Alina, sabe que a perdeu e isso a machuca demais, porém sabe que é a Conjudora do Sol, mas algo sempre a chama para a escuridão. Ela não quer perder Maly, não quer perder Alina, então tenta não se perder, mas as vezes seu outro lado é mais forte e ganha a luta. A grande batalha é a da protagonista contra si mesma, contra a afirmação de Darkling sobre serem iguais.

" Eu queria torná-la mais humana. Tudo o que veem quando olham para você é a Conjuradora do Sol. Eles veem uma ameaça, outro Grisha poderoso como o Darkling. Eu queria que eles vissem uma filha, irmã ou amiga. Queria que eles vissem Alina."

Sobre novos personagens, temos principalmente Strumhond, o corsário - que é uma grande chave da história e protagonista de uma reviravolta, mas isso você só vai descobrir lendo. Simplesmente amo esse personagem, é aquele "vilão" que te faz ter vontade de socar a página tendo esperanças de que sua mão atravesse o livro e chegue no rosto dele, sabe? haha Mas ao mesmo tempo você quer abraçar. Ele é extremamente sincero, tem um senso de humor incrível, e é um grande ator quando deve ser. Dei várias risadas com ele e também refleti. Arrisco dizer que é um dos meus personagens literários preferidos.

"- Tecnicamente, a cabine pertence ao capitão do baleeiro de quem você roubou o navio.
- É justo. Se toda essa coisa de Conjuradora do Sol não der certo, você pode considerar uma carreira como advogada. Você parece ter a disposição crítica necessária."

Tolya e Tamar são irmãos gêmeos, gostei bastante dos dois, mas senti falta da ligação que eles deveriam ter.
Ao longo do livro, várias pessoas revelam ser quem não são ou possuem uma dupla faceta, digamos que fiquei chocada, com raiva e angustiada em várias partes, mas também amei essas reviravoltas, por mais revoltantes que elas pudessem ser - trocadilho! hahaha

"Ficamos ali parados na escuridão do bosque, e eu senti o estilhaço do meu coração se mexer. Sabia o que ficaria para trás quando a dor sumisse: solidão, vazio, uma fissura profunda que não seria reparada, a ponta desesperada do abismo que uma vez vi nos olhos de Darkling."

Apesar de tudo, preciso citar algumas coisas que não me agradaram.
O triângulo amoroso continua presente de uma maneira nada cansativa e por mais clichê que seja, a autora deu um jeito de o contornar. Porém, esse triângulo virou um quadrângulo amoroso e a garota começou a sentir atração - por menor que fosse - por outras pessoas. WTF?! Fico imaginando por quantos ela vai se atrair no último livro! Mas okay, Alina, sabemos que o Maly é quem você ama de verdade.
O que me incomodou mesmo foi uma certa passagem do livro que preciso compartilhar. Como disse na resenha anterior, adoro Maly por seu jeito de ser e a maneira como ele diz verdades para Alina que ela não quer ouvir, dando aquele "tapa na cara" verbal. Nesse tal trecho, ele diz que faz tudo o que ela pede, visivelmente irritado, então pensei "ele quer deixar de ser levado pra lá e pra cá por ela como se fosse um saco de batatas" mas quando ele termina o discurso, descobrimos que este está fundado no medo de Alina se esquecer dele. Fechei o livro e tive que ignorar esse trecho, foi muito
decepcionante. 


Aliás, senti falta do Darkling. Ele aparece bem pouco tendo como referência o primeiro livro, e tenho tendência a gostar de vilões, principalmente quando eles tem uma grande história por trás.
E o final é O final! Adorei como ele foi construído e tem uma cena e-s-p-e-t-a-c-u-l-a-r que quase me fez gritar!!
Obrigada, Leigh Bardugo, por me fazer gostar de fantasia e sempre me surpreender quando penso que você vai cair na mesmice, você é incrível!
"Você sabe qual o problema com heróis e santos, Nikolai? Eles sempre acabam mortos."

Enfim, como vocês devem ter percebido, a-m-e-i Sol e Tormenta e recomendo pra todos, mesmo que você não goste de fantasia. É uma história única, um universo incrível, cheio de ação e reviravoltas regado por amizade, romance, fidelidade, traição e muito mais.

Se interessou?! Você pode saber mais e comprar aqui.



4 comentários:

  1. Esse mês estou pensando em ler. Estou bem ansioso em conhecer a trilogia, além de que eu amo demais livros de fantasia.

    http://criativosounao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thales! Eu odiava fantasia, até descobrir "Sombra e ossos", leia sim, é maravilhosoo!!
      Beijos!

      Excluir
  2. Ainda não li esse mas pela resenha vai entrar na minha lista do prox mês :)
    E não perca o SORTEIO do livro que armazém do chef está realizando
    http://armazemdochef.blogspot.com.br/2015/02/livro-selecao-brasileira-de-gastronomia.html

    ResponderExcluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo