sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Resenha: Se eu ficar - Gayle Forman

Editora: Novo Conceito
Páginas: 224
Ano: 2014
ISBN: 9788581635415
Sinopse: Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

A vida é feita de escolhas. Precisamos escolher que caminho seguir em vários momentos de nossa existência, mas e se
você tivesse que decidir sobre a continuidade de sua vida? Você iria escolher ficar ou ir embora? 
É justamente esse o foco do livro Se eu ficar, Mia tem uma família feliz, um irmãozinho maravilhoso, a melhor amiga, Kim, e o namorado Adam. A típica "vida de adolescente perfeita", mas ao longo do livro, você percebe que não era bem assim. Isso mostra que até mesmo as pessoas que aparentam ser mais felizes e ter uma vida boa, podem ter questionamentos, duvidas e inseguranças dentro de si. Ninguém é plenamente feliz. Mas algo tira a vida de Mia completamente do eixo, era pra ser uma viagem de família de ultima hora, mas todos acabam sofrendo um acidente. Os pais de Mia falecem ali mesmo e no início nada se sabe sobre seu irmão. Mia está viva. Mia observa a si mesma deitada na maca. Ela precisa decidir entre ir ou ficar.
No início, achei que o livro estava sendo meio superficial, afinal, Mia tinha uma família feliz, uma melhor-amiga que a amava muito e um namorado incrível, mas ao longo da leitura percebi que não era bem assim.

"Na UTI, é quase igual. Não se sabe ao certo que horas são nem quanto tempo se passou. Não há luz natural. E há um barulho constante, mas não dos bipes eletrônicos das maquinas caça-niqueis e do retinir das moedas, o som interminável e abafado das páginas reviradas pelos médicos auxiliares, e a conversa constante dos enfermeiros."

 Por ser violoncelista, já se sentiu um tanto quanto descolada do ambiente familiar. Além disso, percebemos também que seu relacionamento com Adam não é lá mil maravilhas e ela também deve fazer escolhas em relação ao relacionamento de ambos.
Mia e Adam não são aquele casal que você ama logo da primeira vez, tudo isso acontece aos poucos, mas logo depois comecei a não gostar de Adam novamente. Achei incrível os diálogos que acontecem na UTI, principalmente entre ela e Kim, aquilo que sempre dizem "ela/e pode estar dormindo, mas está escutando", é exatamente isso que acontece, o que me fez perguntar se fora do universo literário isso pode de fato acontecer, nunca se sabe, não é?!
Gosto também de como ela fala sobre o fato de os médicos mexerem em suas pálpebras, de modo que ninguém fez isso, é muito raro ser feito normalmente. Isso certamente chamou a atenção.
"(..) São sempre rudes e apressados, como se não considerassem as pálpebras dignas de delicadeza, e isso me faz perceber as pouquíssimas vezes em que tocamos as pálpebras de alguém durante a nossa vida."

Preciso dar enfoque ao senso de humor de Mia, muitas pessoas disseram que não gostaram da personagem por não ter um diferencial ou ser um pouco "sem-sal", mas realmente não concordo com o ponto de vista deles. A garota é cativante e te faz rir mesmo no estado em que se encontra, com um pouco de humor negro, gostei bastante do fato de não ser um livro totalmente depressivo, apesar de se tratar de morte.

“Às vezes você faz escolhas na vida e às vezes escolhas fazem você.”

O recado que me foi passado é justamente esse de que bom, todos tem problemas, por mais perfeitos que pareçam, as vezes você tem que fazer escolhas em sua vida e todas elas terão consequências, além disso, é claro, você deve amar a si mesma e viver cada momento como se fosse o ultimo, pois não se sabe o dia de amanhã.
Se eu ficar é um livro simples que mostrou não ser necessário provocar um rio de lágrimas para passar uma mensagem incrível e  te emocionar.

3 comentários:

  1. Desde o lançamento, eu não tive muita curiosidade em ler o livro. Acho que pode ser algo estilo A culpa é das estrelas, apelando pro lado sentimental, mas gostei do que você falou! A tal vida perfeita pode nem ser tão perfeita assim, e às vezes é tarde demais pra que a gente perceba que devia ter feito coisas diferentes e dado mais valor às pessoas ao seu redor. Gosto bastante desses livros reflexivos, então graças a sua resenha acho que é capaz de dar uma chance à história haha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova de Divergente, vem conferir!

    ResponderExcluir
  2. Eu adorei o livro e o devorei em pouquíssimo tempo. *--* Concordo com você sobre a Mia e o fato de ter gostado do livro não ter sido depressivo, apesar de momentos tristes.
    Beijos,K.;
    Girl Spoiled
    http://girlspoiled.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu já te falei que estava doida para ler esse livro, né Bia? Eu irei começar a lê-lo próxima semana mas não estou com enormes expectativas e espero que ele me surpreenda, espero que a autora me encante com sua escrita. E eu gosto de aprender com coisas simples, como você disse o livro é simples, então... Em breve vou postar minha opinião lá no blog. Beijos!
    apenasumaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo