quarta-feira, 25 de junho de 2014

Um caso perdido - Colleen Hoover

Um caso perdido - Colleen Hoover
Editora: Galera recod
Páginas: 384
Ano: 2014

"Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras... Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente."

Sem ar. Completamente sem ar. Foi exatamente assim que me senti ao terminar a leitura de Um caso perdido/Hopeless. No inicio, quando pensava em escrever essa resenha - sim eu leio o livro e penso na resenha, não me pergunte porque - pensei em dizer que tinha uma relação de amor e ódio, mas todas as coisas que faziam existir o "ódio" da relação, foram explicadas com a verdade. Maldita verdade. Ela não apenas trucidou Sky, também fui trucidada, pedaço por pedaço.
Se você leu Métrica, da mesma autora, e assim como eu, se apaixonou, Hopeless vai quebrar seu coração em um milhão de pedacinhos e construir de novo.
O livro conta a história de Sky, uma garota adotada, ilesa de problemas colegiais - até então - e sem uso de tecnologia - pelo menos em sua casa. Agora, finalmente, vai passar o último ano estudando e uma escola de verdade, seu plano inicial era ir com Six, a melhor amiga, mas de ultima hora, a garota conseguiu a oportunidade de fazer um intercâmbio, então será apenas Sky no mundo selvagem do colegial.
A protagonista tem má fama, já que é vista sempre ficando com garotos diferentes - que entram pela janela do seu quarto - mas a garota nunca sentiu nada por nenhum deles, se sente apenas entorpecida. Quando Sky chega no colégio é recebida por Breckin, um móron gay, que talvez pinte as unhas de amarelo agora que conheceu Sky. Six manda mensagens todo dia fazendo elogios - e depois Holder manda fazendo xingamentos para "desinflar" o ego.
Então Sky acaba se apaixonando pelo único garoto que a faz sentir algo, Dean Holder, que também não tem um passado muito bonito e boatos mais feios ainda. Juntos, eles vão construindo uma relação firme, superando problemas do passado e boatos. 

"Minha falta de acesso ao mundo real foi totalmente substituída por livros, e não deve ser muito saudável viver na terra dos finais felizes."

Adorei a forma como Sky lida com os bilhetes colados em seu armário a xingando de puta, etc, ela simplesmente ignora e ainda da um toque a mais em cada um deles, já que segundo ela, ninguém tem criatividade e deixam os bilhetes injustificáveis. Acho que muitos passam por isso no colégio e é bem interessante ver como a garota passa por isso, sem machucar ninguém, e ainda se diverte, é admirável.
Holder sofre constantes mudanças de humor, em um momento tudo está bem, até o garoto surtar de novo, ou fica sério, e carinhoso, inconstante e intenso, como Sky descreveria. Mas lá para o final do livro você descobre o porque disso tudo e gosta dele desse jeitinho mesmo.

"(...) Ás vezes, outros fatores além do amor acabam decidindo pela pessoa. Fatores como ódio. Às vezes, para se livrar do ódio, a pessoa fica desesperada."

O romance inicial é bem previsível, de modo que, enquanto Sky estava pensando, já sabia que o próximo acontecimento seria aquele. Isso me irritou um pouco, mas não fez com que gostasse menos do livro. Algumas vezes quis socar Holder e outras gritar muito com Sky, até que meu fôlego foi tirado completamente.
Eu não conseguia respirar direito.
Não queria parar de ler.
Minha visão ficando embaçada por causa das lágrimas.
Então eu quis gritar comigo, por ter achado o romance meloso demais no início, mas depois estava desejando minha dose de açúcar.
Enquanto o começo era previsível, eu nunca iria imaginar do que se tratava o climax, a grande verdade.
Sky diz "Você não pode ficar com raiva de um final realista. Alguns são horrorosos mesmo. São os finais felizes superfalsos que deveriam irritar você." em uma conversa com Six, desde então achei que o final seria realista, mas alguns capítulos depois pensei que iria me decepcionar, até chegar a ele. Não é tão realista, como "Cidades de papel - John Green", mas também não é um "E viveram felizes para sempre", eles mesmos deixam isso bem claro. Adorei isso, adorei o final. Amei o livro inteiro.

"A maneira como está me observando me faz sentir que ele precisa de mim de tal forma que nunca senti antes com ninguém. De certa maneira, me faz sentir necessária. Como se só minha existência fosse necessária para sua sobrevivência."

Breckin é o melhor amigo gay de todos os tempos, dei boas risadas com ele e gostaria que tivesse sido mais desenvolvido. Assim como Six, realmente adorei a personagem dela e queria muito que aparecesse mais, queria saber mais sobre sua vida, seus sentimentos, mas já que ela estava em um intercâmbio e o livro é narrado em primeira pessoa, sabia que isso não seria possível. A amizade entre Sky e Six é aquela em que você fica desejando estar ali, no lugar de uma delas.
A única coisa que não gostei muito do final é que queria saber como isso tudo se desenrolou para outros outros personagens, principalmente para Six, queria muito ver ela voltando do intercâmbio também.
Cheios de quotes lindos e memoráveis, momentos de romance, a verdade que me destruiu, drama, e superação. Superação de cada um deles e do conjunto.
Uma observação é que deveriam ter mantido o título original, já que faz muito mais sentido.
Minha vontade é começar a contar e comentar sobre as cenas que me fizeram rir, as que me arrancaram suspiros, e outras que deixaram um nó na garganta e a visão embaçada, mas não vou dar spoiler.
Arrebatador. É isso que esse livro é. Arrebatador.
PS: Holder <3

4 comentários:

  1. Adorei! Estou louca pra comprar o meu, parece ser incrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom mesmo, não vai se arrepender :D
      Beijos,
      Bia

      Excluir
  2. De cara eu não gostei da capa e então juguei o livro e tals, mas lendo a resenha vi que errei. Adoro livro que nos deixam sem ar , super interessante vê a forma que ela trata as outras pessoas e o decorrer de toda a história!
    Resenha muito bem escrita, adorei as sutilezas!
    Grande abraço Beatriz !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é simplesmente inexplicável, só digo uma coisa: leia! Hahaha
      Beijos e muito obrigada!

      Excluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo