terça-feira, 1 de julho de 2014

Resenha: Cidades de papel - John Green

Cidades de papel - John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 368
Ano: 2013
"Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.
Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.
Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia."


Cidades de papel, na minha opinião, é o melhor livro do John Green. Quentin e Margo tiveram uma grande amizade na infância, agora o único sentimento entre os dois é a paixão platônica do garoto. Margo parece ter a vida perfeita, amigos, namorados, uma casa bonita. Até que uma bela noite, a garota aparece no quarto de Quentin pedindo as chaves de seu carro e o colocando em uma aventura vingativa. Logo depois, Margo simplesmente some e dessa vez não volta - ela já fez isso outras vezes mas não demorava muito pra voltar.
Quentin descobre, então, que a garota deixou pistas para ser encontrada, é assim que Quentin e seus amigos vivem uma aventura e vão atras de Margo Roth Spielgeman.
O livro é muito engraçado e arrancou muitas risadas minhas, além de suspiros com as metáforas e a alegria do final mais bonito e realista. Os personagens seguem o padrão John Green, mas não deixam de ser diferentes e surpreendentes. Margo me irritou em algumas partes do livro (principalmente no começo), não gosto muito de sua personagem (principalmente no começo, de novo), na verdade, embora a primeira parte seja sensacional, amei a segunda parte também. Mas o Quentin faz o livro todo valer a pena.

"Se eu surtasse toda vez que uma coisa ruim acontecesse no mundo, ia acabar completamente pirado."

Antes que eu me esqueça, o livro é dividido em "três partes", o início, a primeira parte (com Margo e Quentin) e a segunda parte (As pistas e a busca). 
O início nos da uma ideia maior da amizade de infância entre Q. e M.
A primeira parte rende várias risadas - e alguns suspiros - e confesso que não consegui fazer uma pausa na leitura até a terminar.

"Isso sempre me pareceu tão ridículo, que as pessoas pudessem querer ficar com alguém só por causa da beleza. É como escolher o cereal de manhã pela cor, e não pelo sabor."

A segunda parte de faz rir ainda mais e imaginar a cena, te faz querer estar ali, entre eles. As pausas cronometradas são as melhores (entendedores entenderão).
Amo as metáforas usadas pelo autor e a maneira como ele transmite mensagens incríveis com tanta simplicidade e talento (Amo principalmente a metáfora da cidade de papel). Além disso, as pistas são bem diferentes e criativas (e fazem sentido!), isso foi extremamente inteligente.

“É tão fácil se esquecer de como o mundo é cheio de pessoas, lotado, e cada uma delas é imaginável e sistematicamente mal interpretadas.”

Muitos dizem que a segunda parte é meio arrastada, demorada de ler, mas eu digo exatamente o contrário, o livro inteiro pode ser lido em apenas um dia, devorado rapidamente.
A maioria também não gosta do final, mas essa é uma das melhores partes do livro, porque é realista, não é algo distante que você pensa "maravilhoso, mas não aconteceria de verdade".
Recomendo a todos. Um livro para rir, pensar, suspirar e se divertir a cada página.

6 comentários:

  1. Eu já li esse livro e foi o que eu menos gostei, sei lá, achei bacana algumas partes, mas o livro foi bem chatinho para ler, para mim não é nem de longe o melhor livro do John, talvez o pior D; kkkk

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura?? Eu amo esse livro demais! Mas conheço gente que também teve a mesma opinião que você!
      Beijos,
      Bia

      Excluir
  2. Olá,
    Li esse livro e, de todos que li dele até agora, Teorema Katherine ganha em favoritismo. Eu me vi muito nesse livro e é isso rsrs.
    Em alguns momentos, me peguei com ódio da Margo, mas eu adorei cada pedaço do livro e como o John fez aquilo ser real, isso realmente pode acontecer e ponto. Isso é fantástico.
    Adorei a sua resenha e suas frases cortadas rs.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes senti que a Margo fazia muito drama em tampinha de garrafa, sabe? Mas eu gostei do realismo, amei!
      Muito obrigada,
      Beijos,
      Bia

      Excluir
  3. Oie, adorei sua resenha e me senti exatamente assim quando li este livro. Ganhei de um ex namorado e achei que a leitura seria chata, pesada, maçante... Julguei pela capa (me julguem kkkkk)
    Mas logo nas primeiras páginas me apeguei e não larguei até terminar! Kkkkk
    Maaaas, logo depois li O teorema Katherine e por esse sim eu me apaixonei <3
    Bjs
    http://encantodabagunca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ganhei da minha melhor amiga hahaha achei que seria legal, mas não tanto quanto foi realmente, me surpreendeu muito!!
      Beijos,
      Bia
      http://vivendonoinfinito.blogspot.com.br/

      Excluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo