sábado, 17 de maio de 2014

Resenha: Dias perfeitos - Raphael Montes

Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das letras
Páginas: 280
"Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional."

Téo é o perfeito psicopata, construído minuciosa e inteligentemente por Raphael Montes. Tudo começa quando o estudante de medicina conhece a jovem Clarice, apaixonada por cinema - que está escrevendo um roteiro denominado Dias perfeitos - mas ela não parece estar tão interessada assim.
Com sua paixão recente, Téo não pensa em desistir e faz de tudo para tê-la - literalmente. O homem acaba a sequestrando e levando para o hotel preferido da garota, uma das cenas aonde o roteiro de cinema se passa.
O livro é bem pesado e bem trabalhado, cada ação de Téo faz completo sentido na cabeça dele, de forma que, para ele, o que faz é certo. O leitor tem as duas visões - de modo que o livro é narrado em terceira pessoa - a visão de fora e a visão de Téo, para nós é absurdo ler essa história, assustador entrar de cabeça em tudo o que ele faz com Clarice e ainda mais assustador perceber o quanto isso realmente faz sentido na cabeça de Téo, como o psicopata frio pensa e é extremamente racional.
Ao longo da história, Clarice vai mudando sua personalidade, do meu ponto de vista, ela acaba quase enlouquecendo, até chegar a certo ponto - que não posso contar, senão seria spoiler.
O final me desagradou muito, queria realmente saber qual foi o proposito do autor com esse desfecho. Porém o conjunto da obra fez com que eu tirasse a seguinte conclusão:
"Dias perfeitos" é o perfeito thriller psicológico - e escrito por um autor nacional - recomendo para todos aqueles, que assim como eu, acreditam ser muito interessante entender a mente daqueles que, de certa forma, perderam a sua sanidade.
Obs: Este é um daqueles livros em que o enredo não é tão importante, ou seja, não é preciso que se foque no enredo em si, mas sim em sua construção, na construção dos personagens - principalmente de Téo - e suas ações.

Um comentário:

  1. Muitos estão comentando esse livro.
    Parece ser muito bom :)

    Já esta na listinha.
    Abraços ^^'

    http://leiaeimagine2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo